Trouxemos uma visão geral da sigla que tem impactado fortemente o mundo dos negócios e representa um cenário novo e mais sustentável. Confira

Políticas voltadas para o ESG ajudam a construir um mundo mais sustentável

 

ESG significa Environmental, Social and Governance (em português, é comum o uso do termo ASG). Essas três letras têm impactado o mundo dos investimentos, pois combinam a construção de um mundo mais sustentável com resultados financeiros de uma empresa. A aplicação de recursos em cuidados com o meio ambiente, responsabilidade social e práticas superiores de governança refletem positivamente nos números das corporações, ajudando a sigla a tornar-se mais popular. Segundo a revista Época Negócios, US$ 490 bilhões foram arrecadados em 2020 com a venda  de títulos verdes, sociais e de sustentabilidade por empresas, governos e outros grupos. O valor foi considerado histórico e estudos apontam que a tendência é de aceleração deste mercado.

Origem

O conceito de ESG voltou a moda recentemente, mas já é antigo no mercado. Registros dos anos 50-60 afirmam que alguns investidores excluíam negócios que não respeitavam valores éticos e morais, como empresas que se relacionavam com o apartheid da África do Sul. Nos anos 80, iniciou-se o favorecimento de empresas com boas práticas ambientais, sociais e de governança, dando mais força ao ESG. Já em 1999, foi criado o Índice Dow Jones de Sustentabilidade, o primeiro índice global voltado ao mapeamento de empresas com adoção de práticas sustentáveis. O índice foi uma das primeiras iniciativas reais destas práticas, pois a partir da sua criação, bolsas de diversos locais do mundo criaram novos índices, definindo seus padrões inspirados no ESG. No Brasil, surgiu o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3 (bolsa de valores oficial do Brasil).

 

Práticas

Cada letra representa fatores que mostram o compromisso de uma empresa com uma operação mais sustentável em termos ambientais, sociais e de governança. A área ambiental (letra E) refere-se ao conjunto de práticas de uma empresa quanto à preservação do meio-ambiente e atuação sobre temas como poluição, aquecimento global, emissão de carbono, desmatamento, biodiversidade, gestão de resíduos, escassez de água, eficiência energética etc. O âmbito social é representado pela letra S e lida com questões como diversidade entre colaboradores, relacionamento com a comunidade, respeito aos direitos humanos e trabalhistas, engajamento dos funcionários, satisfação dos clientes etc. Já a letra G diz respeito às práticas de gestão de uma empresa, analisando pontos como a conduta corporativa, estrutura dos comitês, composição do conselho, remuneração dos executivos, relação com entidades do governo etc.

 

Aceleração do mercado

A tendência do investimento em empresas ESG é algo que não pode mais ser ignorado. Além de movimentar valores históricos recentemente, este crescimento incentiva empresas a praticarem ações sustentáveis. No Brasil, já é possível observar a chegada da era do ESG, com discussões sobre o tema aumentando cada vez mais. A pandemia se tornou um catalisador e empresas que não se adaptarem ao novo cenário podem ficar para trás. A B. Fabbriani é uma empresa que busca se tornar adepta às práticas ESG. Atualmente, temos pilares fincados em questões sustentáveis e humanas e aspiramos adaptar nossa gestão e atuação para nos encaixarmos nos padrões internacionais que configuram a sigla. Com isso, faremos parte de uma transformação pioneira no mercado imobiliário e corporativo brasileiro como um todo!

Similar Posts